Por Bruno Bezerra*

Quando o assunto é o ambiente empreendedor da atividade confeccionista em Santa Cruz do Capibaribe, não podemos pensar apenas na feira de hoje e na feira da próxima semana... É preciso pensar agora, na próxima geração que irá compor nosso extraordinário ambiente empreendedor.



Entre as muitas tarefas inerentes, precisamos urgentemente agregar valor aos nossos produtos com uma produtiva base de criatividade e tecnologia. Essa mesma base tecnológica e criativa que deve agregar valor aos produtos, deve também criar e fortalecer marcas para as micro e pequenas empresas, com objetivo de aumentar a dinâmica empreendedora e a competitividade dessas empresas.

Todo esse processo deve ter a inovação como alicerce, para manter mercados atuais e melhor estruturar produtos e plataformas de negócios que possam abrir novos mercados num futuro próximo.

Contudo, para que a idéia de uma boa base de criatividade e tecnologia possa acontecer de maneira verdadeiramente produtiva, será preciso compartilhar e facilitar a oferta, para que a maioria das empresas de confecção do nosso ambiente empreendedor possa ter acesso à base criativa e tecnológica, e com isso termos um número expressivo de empresas ofertando marcas e produtos com valor agregado.

Na prática a idéia é fazer com que micro e pequenas confecções possam ter acesso a bons profissionais de criação, design, modelagem etc. Ou seja, uma injeção de capital humano capacitado e compartilhado. E assim, termos um maior número possível de empresas com marcas e produtos bem trabalhados e com valor agregado sem perder o preço competitivo.

Como fazer isso acontecer será assunto de um novo artigo, por enquanto quero deixar uma pequena história que representa bem o espírito da idéia.
Certa vez um antropólogo fez uma brincadeira com as crianças de uma tribo africana. Ele colocou um cesto cheio de frutas junto a uma árvore e disse para as crianças que a primeira que chegasse à árvore ganharia todas as frutas.

Dado o sinal, todas as crianças saíram ao mesmo tempo. Então, sentaram-se juntas para aproveitar da recompensa. Quando o antropólogo perguntou por que haviam agido desta forma, sabendo que um vencedor poderia ter todos os frutos para si, as crianças  responderam: "Ubuntu, como um de nós pode ser feliz se todos os outros estiverem tristes?". Ubuntu na cultura Xhosa significa "Eu sou porque nós somos".

*Bruno Bezerra é diretor de desenvolvimento e empreendedorismo da CDL – Santa Cruz do Capibaribe-PE. 

CONTATO: Twitter @brunobezerra Facebook www.facebook.com/brunobezerrape

Por Emanoel Glicério | Marcadores:

1 comentários:

  1. Boa reflexão, amigo Bruno, sobre todos esses fatores fundamentais para pensar a base empreendedora da economia de Santa Cruz do Capibaribe. O futuro precisa ser pensado hoje para que o crescimento continue de forma consistente e aperfeiçoado.