Para reflexão e ação
 O principal indutor da informalidade e sonegação de impostos no Brasil é o próprio Estado através de seu “sistema” tributário, com a maior carga tributária do mundo, em termos de quantidade de impostos, taxas contribuições etc e, de valores altíssimos e injustos, pois proporcionalmente quem tem menos poder aquisitivo paga mais, considerando ainda que o retorno dos impostos arrecadados é mínimo para o povo em benefícios através de políticas públicas estruturadoras e sócias. Ou seja, pagamos muito ao Estado e recebesse pouco do mesmo. E os responsáveis por este realidade são os políticos que nos elegemos, que na sua maioria tratam de interesses próprios e ou dos seus financiadores de campanhas e do grande capital. Tanto é que os mesmos têm pavor em toda esferas de governo e casas legislativas, quando o assunto é redução de tributos, fiscalização e boa aplicação dos mesmos, bem como maior taxação das grandes fortunas.

Santa Cruz que superou a economia agrícola e pecuária de subsistência, alpacas e o pequeno comércio, pela produção de confecções, tornando-se um dos maiores polos de confecções da América Latina, graças a criatividade e trabalho do nosso povo, com a quase total ausência do Estado como ente indutor e apoiador deste grande feito. Neste contexto mais uma vez o Estado reaparece batendo na tecla da necessidade de formalizar este mercado produtivo, que em grande parte é informal.

É obvio que precisamos nos formalizar, mais não a partir da ótica do Estado, visto que o mesmo esteve e estar mais pra engordar sua receita (dinheiro), do que tratar a formalidade a partir do fortalecimento da nossa economia, face ao mercado cada vez mais competitivo. O bom senso nos diz que formalidade desacompanhada de políticas públicas de infra-estrutura, geração de emprego e renda, qualificação profissional, financiamento a juros baixo para o fomento da produção, estrutura urbana, segurança, saúde e educação de qualidade é algo inaceitável e de uma irresponsabilidade descomunal para a nossa economia, isto é um tiro no pé.  Assim sendo onde estar a estrutura hídrica (água) para tocar a produção de confecção etc., e a estrutura urbana e social, as estradas para o escoamento dos nossos produtos (duplicação BR-104 e de Pão de Açúcar ao Moda Center), o financiamento para o fomento, e nossa segurança, hospital micro regional e atenção básica à saúde para todos, e os jovens em situação de risco e suas famílias, o que tem por parte do Estado de ontem e hoje? E a tão propalada tributação diferenciada para o polo de confecção, etc e tal... O que vimos foi depois reuniões na Câmara com fazendários, Ministério Público, vereadores e representantes de classe, assim como, deputado Diogo Morais, CDL, vereadores e vice-governador em Recife, dizendo que esta formalidade vai ser de forma progressiva e levando em consideração as particularidades de nossa economia e dias à frente, somos tomados de assalto por uma operação fiscal/policial no Moda Center,  e a cúpula do Estado (governador, vice e secretário de fazenda...) dizer que não saiba  de onde partiu tal disparate, justo em um governo planejado, monitorado e avaliado diuturnamente por seu alto escalão. Ou é mentira ou desatenção para com nossa economia.

Como se não bastasse vem o deputado federal “da terra” na rádio falando, “de que ouviu falar desta operação, mais não acreditou ser verdade e que sabia de onde partiu e quem tava por traz disto tudo e que vai dar nomes aos bois...” o blog Sulanca News posta dias antes, que “Santa Cruz iria ter uma bomba”, e no sábado posta ”a fazenda ta neste momento passando em Pão de Açúcar” . Deixado o deputado de procurar quem de direito, para confirmação dos fatos e antecipar providencias de forma conjunta, aparecendo depois do “circo” pegar fogo, pra fazer proselitismo político do quanto pior melhor, se enaltecendo de ter ligado para o vice-governador pra abortar a operação, que por arte dos “diabos” pulou Caruaru e Toritama. Assim como o prefeito Edson Vieira e deputado estadual Diogo Morais, achando também que fizeram um grande feito em aborta o ato, ligando pra o governador desinformado. Remontando assim os palanques da paternidade da política paupérrima do aborto da operação duvidosa.

Será esta a postura que nossa economia precisa, por parte dos nossos “representantes”? O povo precisa saber o que de fato aconteceu? Cadê o senador, que disse “não saber da situação da BR-104, por que seus aliados não lhe informaram” de tal disparate e o outro que só tem aparecido em blogs local para teorizar posicionamentos políticos e elogiar a esmola seguro e bolsa safra para as vitimas da seca?   Suas assessorias não já deveriam ter formatado uma proposta condizente para ser discutida com confeccionistas e fazenda?

Tá passando da hora de paramos com tanta demagogia, politicalha e tomarmos posições contundentes face a estas questões. O povo não pode assistir a tudo isto parado, esperando pelo governador e seus aliados de primeira e última hora, de discursos fáceis e longe da pratica. Entidades de classe, produtores e trabalhadores de confecções vamos acordar antes que seja tarde demais. A política do azul de anil e do vermelho colorau, já passou, suas trocas de farpas não nos engrandece. Reagir é preciso!!!

Abraço fraterno!
Carlos Lisboa

Por Emanoel Glicério | Marcadores: , ,

18 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    tira esse norgento dai, esse cara não presta.

  1. Anônimo disse...:

    depois q saiu cheio de $$$$$$$$$ da prefeit. dá uma de paladino da justiça!

  1. Anônimo disse...:

    Falou bonito "Rasputin": no dia que Sta Cruz dos Buracos formalizar todas as "tarimbas" de vendas de sulanca, será o fim dos pequenos heróis da sobrevivência, vítimas da "porca" e sebosa política BRASILEIRA.

  1. Anônimo disse...:

    quempresta é Zé da merenda e diogo da cozinha de Dudu leleza...

  1. Anônimo disse...:

    vai apreder a escrever anonimo venta furada

  1. Anônimo disse...:

    sempre que fala cutuca a ira dos bocas de bostas e tabocasmerendão!!!

  1. Anônimo disse...:

    porcura saber o que as pessoas inteligentes e desprovidas de fanatismo politico, pensa a respeito de seu posicionamentos.

  1. Anônimo disse...:

    beleza arquivo vivo!

  1. Anônimo disse...:

    Quem presta mesmo é Eduartdo precatório,Zé da merenda, Edson laranjão, Toin dos teclados, Diogo cana braba e Dimas da patrol.

  1. Anônimo disse...:

    sempre tocando nas feridas da canalha politica local...

  1. Anônimo disse...:

    ele fala e apresenta podres dos bocas e tobocas e ninguem consegue mopstra nada dele no campo politica sem calunia e difamação.

  1. Anônimo disse...:

    É melhor não espantar este diabo, pois o que ele tem dos politicos locais é incrivel.Até o toco que os vereadores recebiam da câmara via prefeitura, ele tem gravado. E quem repassava o dinheiro e recebia sabe muito bem disto! Todo cuidado é pouco com esta porra...politicos é logico, pois pro eleitor venta furada com ele chama, ta nem ai!

  1. Anônimo disse...:

    Mané não tinha outra foto com uma camisa decente pra postar?
    Lisboa

  1. Anônimo disse...:

    só os cachorros raivosos acham que lisboa ta errado, e assim se utilizam do expediemte deste anonimo canalha. emfreta ele pessoalmente fuliero derrotado.

  1. Anônimo disse...:

    estamos com lisbao e não abrimos.eu quero é o reletório dele na rua.Segura eu mainha!!!

  1. Anônimo disse...:

    muito bom artigo lisboa,nao deixe de escrever e expor suas ideias.

  1. Anônimo disse...:

    vc fez parete todo esse tempo desse grupo, dessa politicalha e agora quer dar uma de bonzinho e? teenxerga! canaçha!

  1. Anônimo disse...:

    mande ele postar um artigo dos remedios dele mais doutor alexandre