Ampliado, evento agora é internacional e terá cinco dias de mostras especiais e competitivas; crítico Jean-Claude Bernardet, ator Zé Dumont e atriz Prazeres Barbosa serão homenageados



De 4 a 8 de novembro, Taquaritinga do Norte (a 190 km do Recife) será a capital do curta-metragem. O 6º Curta Taquary traça um abrangente panorama de curta-metragens brasileiros, latino-americanos e europeus. Além da exibição de filmes, a programação inclui seminários, oficinas, palestras e homenagens a personalidades do cinema. A organização do evento prevê um público de cinco mil pessoas ao longo dos cinco dias de atividades.

Os homenageados deste ano são o crítico de cinema Jean-Claude Bernardet, o ator Zé Dumont e a atriz Prazeres Barbosa. Em edições anteriores, o festival teve como convidados a atriz Marcélia Cartaxo (presidente do júri em 2010) e o diretor José Mojica Marins (2012), o Zé do Caixão, que durante o evento iniciou as comemorações dos seus 50 anos de carreira.

Alexandre Soares, diretor do Curta Taquary, justifica a escolha dos homenageados. “Conheci Jean-Claude no Festival de Tiradentes, onde o convidamos para atuar no novo filme de Taciano Valério. Ele aceitou na hora, o que demonstra generosidade com as novas gerações. Prazeres Barbosa é uma atriz pernambucana com passagem pela TV e cinema, experiente no teatro, um exemplo e uma referência para quem sonha em trabalhar com arte no Agreste. E Zé Dumont, pelo conjunto de uma obra que inclui atuações em ‘O homem que virou suco’ e ‘A hora da estrela’, dois dos mais importantes filmes da cinematografia nacional”.

Cinema de rua - Desde sua primeira edição, a sede do Curta Taquary é o acolhedor Cine Teatro Santo Amaro, construído na década de 1960 pelo empresário Severino Pereira da Silva. “Cresci dentro desse cinema, que nos anos 1980 era a coisa mais linda do mundo. Nele assisti ‘A hora da estrela’, um dos filmes que mais me marcou. Foi uma grande alegria poder homenagear a Marcélia Cartaxo, como fazemos agora com o Zé Dumont”, diz Alexandre Soares.

Após seu fechamento, o espaço vem sendo utilizado pelos festivais Curta Taquary e Criancine, promovidos por Soares. Além dos eventos, o Cine Santo Amaro recebe mensalmente o Cineclube Taquary, voltado para a para a educação e desenvolvimento do senso crítico. Assim, a cidade revive o ritual coletivo de assistir filmes. “Nas primeiras edições, 90% do público nunca tinha ido ao cinema. E a primeira vez foi para ver um curta nacional”, diz o organizador.

O Curta Taquary surgiu em 2005, feito com recursos próprios, como resposta à necessidade de oferecer uma janela para a produção local. A partir da segunda edição o evento passou a contar com patrocínio do Governo do Estado, via Fundarpe / Secretaria de Cultura. “Sou apaixonado por cinema e já tinha produzido alguns curtas que, assim como os realizados por amigos, enfrentavam o problema de difusão. Hoje ele se tornou um ponto de encontro para diferentes gerações que vivem e refletem o cinema”.


JEAN-CLAUDE BERNARDET - Nascido na Bélgica, de família francesa, passou a infância em Paris, e veio para o Brasil com sua família aos 13 anos. Professor emérito da ECA/USP, ex-professor da UnB, autor dos livros: “Brasil em tempo de cinema”, “Cinema Brasileiro: propostas para uma história”, “Cineastas e Imagens do Povo”, “Caminhos de Kiarostami” e “Trajetória Crítica”. Co-autor dos roteiros “O caso dos Irmãos Naves”, de Luiz Sergio Person, “Um céu de estrelas” e “Hoje”, de Tata Amaral e diretor de “São Paulo Sinfonia e Cacofonia” (1995). De acordo com Eduardo Escorel, “desde a morte de Paulo Emílio Salles Gomes, as ideias dele se tornaram, acima de quaisquer outras, as de maior interesse para quem faz, estuda ou se interessa por cinema no Brasil”. Aos 77 anos, Bernardet vem se dedicando à atuação, como nos filmes “Periscópio” e “FilmeFobia”, de Kiko Goifman, “O homem das multidões”, de Marcelo Gomes e Cao Guimarães, “A navalha do avô”, de Pedro Jorge e “Pingo d’Água”, de Taciano Valério, este último, em fase de finalização.

ZÉ DUMONT – Nascido em Belém de Caiçara, Paraíba, Zé Dumont desde criança manteve contato com as artes. Autodidata, aprendeu a ler sozinho através dos livretos de cordel que encontrava numa feira próxima a sua casa. Em 1972 partiu para São Paulo após concluir um curso na marinha mercante, mas acabou trabalhando como carteiro. Certa noite, ao assistir uma peça, se aproximou de um grupo de teatro, de onde surgiriam suas primeiras apresentações. Hoje, sua carreira é composta por dezenas de filmes e atuações marcantes na televisão brasileira. Entre elas, “O Homem que virou suco”, “Kenoma” e a clássica adaptação da obra de Clarice Lispector, “A hora da Estrela”, de Susana Amaral. Zé Dumont coleciona diversas premiações em festivais como o Festival de Brasília, Gramado e Havana (Cuba).



PRAZERES BARBOSA – Nascida em Caruaru, iniciou a carreira de atriz aos 32 anos, quando era professora de português e educação artística. Hoje, aos 61 anos, sua trajetória artística soma 13 espetáculos teatrais, recebendo dezenas de prêmios, o último conquistado no IX Festival de Teatro do Rio de Janeiro; 18 atuações no cinema; e 11 trabalhos na TV Globo. Mecenas das Artes Cênicas, ladeada por Ariano Suassuna e João Cabral de Melo Neto; Uma das atrizes mais premiadas de Pernambuco; Prazeres também recebeu a Medalha Sesquicentenário de Caruaru, outorgada a 150 personagens que mais contribuíram para o progresso da cidade.


Alexandre Soares - Realizador dos festivais Curta Taquary e Criancine – Festival de Cinema Infanto Juvenil. Produtor executivo do longa “Ferrolho”, de Taciano Valério; produtor associado do longa “Onde Borges Tudo Vê” (Melhor filme no 2º Festival Lume de Cinema); distribuidor do curta “Fogo-Pagou” (prêmio Itamaraty no Festival Internacional de Curtas de São Paulo). Estudou direção para cinema na EICTV, em Cuba. É tesoureiro da ABD/APECI e titular da Comissão Regional de Audiovisual do Agreste- PE.

Serviço:

Curta Taquary – 6º Festival Nacional de Curta Metragem

Quando: de 4 a 8 de novembro
Onde: Cine Santo Amaro (Rua Professor Luiz Carlos, Centro - Taquaritinga do Norte - PE )
Informações: www.curtataquary.com
Entrada franca

Por Emanoel Glicério |

1 comentários:

  1. Anônimo disse...:

    o curta taquary é um exemplo para a regiao da sulanca,é uma pena que santa cruz do capibaribe se resume alcool e garota safada.