No ano de 2013, a Coordenadoria da Mulher de Santa Cruz do Capibaribe realizou um trabalho pautado no fortalecimento das políticas públicas de gênero e intensificação de ações de prevenção e combate à violência contra a mulher no município.



O aparelhamento profissional do Centro de Referência da Mulher que recebeu toda infraestrutura com  assistente social, a conquista de uma advogada para receber as denúncias das mulheres vítimas de violência na Delegacia Municipal e um amplo trabalho de divulgação da Coordenadoria e Centro de Referência da Mulher, levou a um aumento considerável no número de denúncias, passando de 19 casos no ano de 2012, para 110 casos em 2013.



“Esse aumento não significa que os casos de violência cresceram, mas sim, que as mulheres estão encontrando meios de buscar ajuda através de um local seguro de apoio e acolhimento, no qual elas possam sair da condição de violência em que se encontram”, comemorou a Coordenadora da Mulher Clarissa Carvalho.



Através de convênios com o SENAR (Serviço Nacional de aprendizagem Rural), a coordenadoria também atuou na realização de capacitações e cursos de informática, corte e costura e plantas medicinais na sede e Zona Rural do município. Palestras nas escolas e capacitações de professores sobre igualdade de gêneros também integraram as ações da gestão, assim como, a realização da campanha de não divulgação de imagens e nomes das mulheres agredidas pela imprensa local, junto ao Ministério Público. 



A atuação no Projeto Mulheres Costurando Direitos em conjunto com as Secretarias da Mulher de Caruaru e Toritama, levou a discussão das condições trabalhistas das mulheres costureiras para os estudantes do SENAI e das faculdades do Polo das Confecções.  



A Campanha 16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher, realizada em convênio com a Secretaria da Mulher de Caruaru com palestras e capacitações pelo enfrentamento a essa violência, culminou com a realização do mutirão para o julgamento de mais de 120 casos pendentes da Lei Maria da Penha em conjunto com o judiciário e a CEAPA (Central de Penas e Medidas Alternativas).



“Nosso trabalho é pautado na valorização da mulher e dos seus direitos, sobretudo no entendimento das suas várias dimensões no papel de mulher trabalhadora ou cidadã. Nós da gestão municipal temos um compromisso de criar e fortalecer políticas que atendam necessidades e transformem as condições das mulheres santa-cruzenses”, ressaltou a coordenadora.

Por Emanoel Glicério |

0 comentários: